00

dias


00

horas


00

minutos


00

segundos


10 DE NOVEMBRO

OS ALL BLACKS MAORI

Como dignos representantes de uma orgulhosa história, os All Blacks Maori são uma equipe  de rugby formada por atletas com a etnia do povo nativo da Nova Zelândia, os Maori, que estão no país há  quase 800 anos. Ser um Maori All Black não é algo tão simples, além das características esportivas, como ser um atleta de altíssimo nível, o candidato necessita ter conhecimento cultural sobre sua origem e passar  por um processo para a confirmação da herança genealógica para conseguir uma elegibilidade Maori All Black.

A equipe, Nativos da Nova Zelândia, começou a fazer sua história dentro do rugby, quando em  1888-89 excursionou pela Europa e Austrália realizando 109 jogos, usando uniforme preto e realizando a haka pela primeira vez. O nome All Blacks Maori foi incorporado em 1910 para representar o orgulho da cultura Maori através do rugby, em diferentes países ao redor do mundo.

A Excursão em novembro, onde os Maori All Blacks irão enfrentar o Brasil (10 de novembro) e Chile (17 de novembro) será a segunda visita do time na América do Sul. Em 1988 os Maoris jogaram na Argentina, derrotando o selecionado de Rosário por 88 x 12  e o selecionado de Tucumán por 12 x 3.

Os All Blacks Maori representam o melhor do rugby da Nova Zelândia e estão apenas abaixo do primeiro time, os tricampeões mundiais, os All Blacks.

All Blacks Maori

É OFICIAL!

All Blacks Maori x Brasil, jogarão em novembro na cidade de São Paulo

 A partida amistosa em São Paulo será a segunda vez em que os Neozelandeses Maoris se apresentarão na América do Sul

A Confederação Brasileira de Rugby está confirmando oficialmente em conjunto com a Sudamérica Rugby, New Zealand Rugby e com a Federação Nacional Chilena de Rugby, duas partidas amistosas contra os All Blacks Maori na América do Sul. O primeiro jogo será em São Paulo no dia 10 de novembro, às 18h no horário de Brasília, com local em definição. No dia 17 de novembro os All Blacks Maori vão enfrentar a seleção do Chile, na capital Santiago. O principal patrocinador da partida em São Paulo será o Banco Bradesco, que também é patrocinador master da Seleção Brasileira de Rugby.

Para jogar no All Blacks Maori o atleta precisa  ser de altíssimo nível, ter nascido na Nova Zelândia e ainda possuir descendência Maori. O time brasileiro que irá enfrentar os neozelandeses no dia 10 de novembro, será o Brasil Rugby, um selecionado formado em maioria por atletas que jogam na Seleção Brasileira de Rugby em conjunto com alguns atletas que possuem potencial para fazer parte da seleção em um futuro próximo.  

“É um grande orgulho e desafio receber os Maoris. Estamos trazendo uma das seleções mais conhecidas entre todos os esportes no mundo, para oferecer  um jogo de alto nível para todos os interessados por rugby no País. Esperamos que seja um jogo que inspire as atuais e futuras gerações de jogadores, e que nos ajude a disseminar o esporte no Brasil”, afirma Agustin Danza, CEO da CBRu.

A partida vem para coroar mais uma temporada de conquistas do rugby XV brasileiro, que em 2018 pela primeira vez levantou o troféu de campeão Sul-Americano, através de vitórias conta o Chile, a Argentina XV, que foi inédito, e por último derrotamos a seleção da Colômbia. “O rugby brasileiro vem evoluindo ano a ano e nessa temporada chegamos ao inédito título do Sul-Americano 6 Nações e a uma vitória contra a Argentina XV pela primeira vez na história. Esta será uma partida amistosa, mas vamos dar em campo nosso melhor para nos testar contra os melhores e aprender o máximo da experiência, sem deixar de desfrutar tudo o que ela significa”, finaliza.

O Presidente da Sudamérica Rugby, Sebastián Piñeyrúa, também comentou a importância da partida: “Para a América do Sul está sendo uma ótima oportunidade receber os Maoris All Blacks no Brasil e no Chile. Estamos certos de que elevar o nível do rugby é a chave para alcançar o crescimento das confederações e fundamentalmente, motivar e desafiar os jogadores a serem melhores a cada dia.

Preparar-se para jogar partidas dessa natureza gera um envolvimento de todas as estruturas de uma confederação e esse é o caminho que devemos percorrer.

Precisamos continuar crescendo no Brasil e no Chile para dar aos fãs e crianças que estão começando a conhecer o rugby, a oportunidade de curtir, conhecer se apaixonar com suas seleções. Esse momentos são lembrados por toda a vida; esta é a chave para ter sucesso e gerar o valor agregado que precisamos para tornar o RUGBY cada vez mais massivo”, finaliza.

E claro, não vai faltar a famosa Haka antes do início da partida.

a haka